Alvo no Carnaval de 2014: Saiba quais escolas passam pela Marquês de Sapucaí neste domingo

Arte desfile de domingo (Foto: Editoria de Arte/ G1)

A primeira escola carioca a desfilar neste domingo (2) é a  império da Tijuca. A verde-e-branco do Morro da Formiga, que conquistou em 2013 o título do Grupo de Acesso A e o direito de desfilar entre as agremiações do Grupo Especial, leva para a Marquês de Sapucaí, às 21h, o enredo “Batuk”, de autoria de Júnior Pernambucano. O carnavalesco foi o responsável pelo posto adquirido pela escola ano passado e volta a defender um enredo com bases africanas.

Na sequência do desfile, quem entra às 22h05 na passarela do samba é a Acadêmicos da Grande Rio com enredo sobre Maricá – vista sob os olhos da cantora paulista Maysa, que residiu no município do litoral fluminense na década de 1970.

“Verdes olhos de Maysa sobre o mar, no caminho: Maricá” pega carona na comemoração dos 200 anos da cidade e conta a história da produção agrícola de cana, banana e laranja e da experiência inédita dos moradores que levaram um trem para o município poder escoar a produção. E termina nos anos 1970 com a chegada de Maysa à Maricá.

O batuque originário da África se faz presente no enredo 'Batuk' (Foto: Alba Valéria Mendonça/ G1)
O batuque originário da África se faz presente no
enredo ‘Batuk’ da Império da Tijuca
(Foto: Alba Valéria Mendonça/G1)

A terceira escola a passar pelo Sambódromo neste domingo é a  São Clemente, que fala sobre a origem e o cotidiano das favelas cariocas. A história é contada a partir da Guerra de Canudos.

Após o confronto no interior da Bahia, os soldados enviados ao Nordeste retornaram ao Rio e se instalaram no Morro da Providência, onde havia a planta favela, que deu nome à localidade.

O dia a dia das comunidades cariocas vai ser narrado com irreverência. Um carro alegórico representando um baile funk e um churrasco na laje vão fazer parte do desfile. O desfile está marcado para as 23h10.

O carro da diversidade e da igualdade e do respeito é um dos mais coloridos da  Mangueira (Foto: Rodrigo Gorosito/ G1)O carro da diversidade e da igualdade e do respeito
é um dos mais coloridos da Mangueira
(Foto: Rodrigo Gorosito/G1)

A  Estação Primeira de Mangueira  é a quarta escola a cruzar a avenida e vai falar sobre as festas brasileiras que transformam qualquer espaço aberto num grande palco.

Entre as manifestações culturais que são feitas país afora, a verde-e-rosa vai apresentar a festa junina, a folia de reis, a festa da uva, o boi de Parintins, o congado, o réveillon de Copacabana e a Parada Gay.

Este é o primeiro ano de Rosa Magalhães na Mangueira, ela é a carnavalesca mais premiada em 30 anos de Sapucaí, com cinco títulos na Imperatriz Leopoldinense, um no Salgueiro e o de 2013 pela Vila Isabel. O desfile está marcado para 00h15.

Carro abre-alas da São Clemente retratará a Guerra de Canudos; após o acontecimento imigrantes vieram para o Rio de Janeiro se instalando em morros, originando as favelas (Foto: Isabela Marinho/ G1)
Abre-alas da São Clemente retratará a Guerra de
Canudos; após o confronto soldados vieram para o
Rio se instalando no morro, originando a primeira
favela (Foto: Isabela Marinho/ G1)

A Acadêmicos do Salgueiro  é a penúltima escola a passar pela Marquês de Sapucaí no domingo  contando a história da criação da Terra contada a partir da energia dos quatro elementos: terra, água, fogo e ar. O enredo “Gaia, a vida em nossas mãos”  vai falar sobre a criação do mundo desde os primórdios da humanidade, a partir dos povos de língua iorubá, por exemplo, que acreditam em um deus supremo a quem chamam Olorum.

A vermelho-e-branco termina com uma alerta sobre a importância da preservação do planeta e contra o caos, a ganância e o poder da destruição. A escola apresenta propostas como a utilização da energia sustentável e modos de se obter qualidade de vida nas cidades. A previsão é que a escola inicie o desfile às 01h20.

A última escola a entrar na passarela do samba no domingo é a Beija-Flor, vice-campeã do carnaval em 2013. A escola de Nilópolis faz uma homenagem a José Bonifácio de Oliveira Sobrinho, o Boni, uma das figuras mais importantes da comunicação do Brasil. Embora o enredo “O astro iluminado da comunicação brasileira” preste uma homenagem a Boni, os 3.600 componentes divididos em 39 alas vão mostrar a evolução da comunicação desde a Mesopotâmia, onde se deu a invenção da primeira escrita que se tem conhecimento, passando pela China, onde foi inventado o papel e chegando à Grécia, terra onde a oratório e os discursos ganharam notoriedade.

G1

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s